The Walking Dead BANIU determinado tipo de zumbi, pois a sobrevivência seria impossível

Economizando em efeitos especiais: como 'The Walking Dead' se beneficiou ao banir animais zumbis

The Walking Dead“, a aclamada série de quadrinhos que conquistou uma legião de fãs em todo o mundo durante seus mais de 15 anos de publicação, fez uma escolha crucial que teve um impacto significativo na produção da adaptação para a TV. Robert Kirkman, o criador da série de quadrinhos, decidiu não incluir uma certa variedade de mortos-vivos: os animais zumbis.

Esta decisão não só trouxe benefícios logísticos à história, mas também gerou uma economia significativa para a produção da série de TV, que se beneficiou com a ausência de efeitos especiais complexos que os animais zumbis exigiriam.

LEIA MAIS:

Doramas online: o mundo dos K-dramas e suas opções

PISA FUNDO! Esses são os 10 melhores jogos de corrida do PS4

A decisão estratégica de Kirkman

Robert Kirkman escolheu banir os animais zumbis da obra por um motivo prático. Se estes seres híbridos de animal e zumbi existissem no universo de “The Walking Dead”, a sobrevivência humana se tornaria quase impossível, prejudicando o desenvolvimento plausível da trama.

Os animais, por sua natureza, já são criaturas mais rápidas, mais fortes e adaptadas à selvageria que tomou conta das cidades abandonadas. Adicionar a estas criaturas o poder mortal de um zumbi poderia criar um cenário catastrófico para os sobreviventes humanos, que não teriam qualquer chance contra eles.

Assim, a decisão de Kirkman não foi apenas uma escolha logística para manter a coerência da história, mas também uma consideração cuidadosa das realidades da sobrevivência em um mundo pós-apocalíptico.

Spin-off The Walking Dead com Maggie e Negan ganha imagens INCRÍVEIS 3
Imagem: AMC

A vitória da natureza

A escolha de Kirkman também tem um significado simbólico profundo que ressoa ao longo da série. Sem a presença de animais zumbis, a natureza tem a oportunidade de retomar seu lugar de direito.

Em muitos dos quase 200 volumes da série, Kirkman enfatiza como a natureza recuperou as cidades abandonadas, reorganizando-se em novos ecossistemas e avançando independentemente da presença humana. Esta é uma poderosa crítica à relação problemática da humanidade com a natureza e serve como uma reflexão sobre nosso papel e impacto no mundo natural.

Enquanto os fãs da série continuam a seguir a luta dos sobreviventes humanos, a ausência de animais zumbis serve como um lembrete de que, mesmo em um mundo pós-apocalíptico, a natureza é uma força indomável.