Segredos da presença inesperada do cão Messi no Oscar: dublê de aplausos e pré-gravação

Presença de cão Messi no Oscar envolve truques e pré-gravação

0

Messi, o adorável cão que conquistou o público com sua atuação em “Anatomia de uma Queda”, teve presença notável na premiação do Oscar na noite deste domingo (10). Entretanto, por trás de sua aparição, há uma série de truques e pré-gravações.

O pet chamou atenção ao ser visto supostamente aplaudindo a vitória de Robert Downey Jr., premiado como Melhor Ator Coadjuvante por “Oppenheimer”. Apesar do viral, Messi não estava fisicamente no Dolby Theatre durante o evento e não aplaudiu de fato.

Segredos da presença inesperada do cão Messi no Oscar: dublê de aplausos e pré-gravação
Imagem: Reprodução

Leia mais:

Bridgerton: Descubra qual personagem você seria em um quiz rapidinho!

Descubra os 2 Doramas que Dominam o Top 5 da Netflix!

Como isso foi possível?

A presença de Messi na cerimônia do Oscar foi pré-gravada. Todas as cenas em que o cachorro aparece foram cuidadosamente planejadas e executadas antes da premiação, contando com a participação de figurantes para garantir a verossimilhança.

Além disso, Messi contou com a ajuda de um “dublê de aplausos”. Laura Martin Contini, treinadora do cão, revelou em sua conta no Instagram as patinhas artificiais usadas para simular os momentos em que Messi aparecia batendo palmas. Desta forma, o pet roubou a cena sem se estressar com o evento.

Messi não era esperado no Oscar

A participação de Messi veio como uma surpresa, já que ele não era esperado no Oscar. Conforme relatos, a aparição do cachorro estava prevista apenas para o almoço dos indicados ao Oscar, que aconteceu em fevereiro deste ano.

Algumas empresas de filmes indicados à premiação teriam feito reclamações à Academia quanto à presença de Messi, argumentando que isso poderia dar vantagem a “Anatomia de uma Queda” – pois o cão não estava concorrendo em nenhuma categoria.

No filme, Messi interpreta Snoop, um personagem-chave na trama que envolve uma suspeita de assassinato e o dilema moral de uma testemunha única: um filho cego.