Siga-nos também em

Filmes

Review TBX | Era Uma Vez em Hollywood: ‘É bom, mas não é ótimo’

Review TBX | Era Uma Vez em Hollywood: 'É bom, mas não é ótimo'

 

O que achamos de Era Uma Vez em Hollywood, o novo filme de Tarantino

 

Após um hiato de quatro anos, eis que o novo filme de Quentin Tarantino chega às telonas. Trata-se de Era Uma Vez em Hollywood, seu mais novo filme desde Os Oito Odiados, lançado em 2015.

 

 

O filme reimagina de maneira fictícia os eventos ocorridos em 1969. Eventos em torno da invasão da mansão de Roman Polanski e o respectivo assassinato da atriz Sharon Tate pelos seguidores do criminoso Charles Manson. Misturando personagens biográficos e personagens inventados, o filme de Tarantino faz uma odie ao trecho da história do cinema. Trecho que compreende as décadas de 60 e 70, e seus bastidores. Não é o melhor filme de Tarantino. Mas,, de longe, também não é o pior.

 

Entenda o porquê

 

Era Uma Vez em Hollywood explora uma maior sutileza e minuciosidade de Tarantino. Por isso, deixa um pouco de lado a ultraviolência típica (e esperada) de seus filmes mais clássicos. Com Leonardo DiCaprio e Brad Pitt nos papéis principais, nos deparamos com a dupla tragicômica Rick Dalton e seu dublê Cliff Booth. Eles dão um show de interpretação, não surpreendendo se DiCaprio por exemplo for indicado a premiações.

 

 

Mais do que peripécias, os personagens trazem a tona uma das maiores referencias de Tarantino como diretor. Uma delas é o spaghetti western eternizado no estilo de Sergio Leone. Faroestes italianos de renome, como os que formaram a ‘trilogia dos dólares’. Inclusive, o título faz menção a Era Uma Vez no Oeste, filme de  1969, também rodado por Leone. No filme o período é satirizado de forma realística com o que de fato acontecia com os atores da época.

 

 

A direção de arte é impecável e traz carros da época, cenários e figurinos acertando em coisas que muitos filmes outrora tentaram o mesmo e pecaram. Além disso, a contextualização temporal e a trilha sonora são milimetricamente pensadas e tornam-se uma atração a parte.

No filme podemos ainda desconstruir astros daquele momento cinematográfico como Bruce Lee, outra referência de Tarantino outrora encontrada em Kill Bill, por exemplo.

 

 

Sharon Tate também foi muito bem representada na pele de Margot Robbie. É possível destacar uma cena que assina a homenagem a atriz real. É quando a personagem assiste ao filme de si própria no cinema e é exibido o original The Wrecking Crew, de 1968.

 

 

É bom, mas não é ótimo

 

Apesar da impecável ambientação, e interpretação cômica dos personagens, a lá Pulp Fiction e Bastardos Inglórios, o roteiro fica a desejar, com quebras constantes de expectativas, objetos e personagens inseridos sem destino algum no filme e desenvolvimento arrastados, que perdem o espectador da metade para o fim. Pode até ter sido de propósito, mas muitos momentos ficaram longe do que deveria ser percebido assim.

Além disso, no elenco o filme ainda traz Emile Hirsch, Margaret Qualley, Timothy Olyphant, Julia Butters, Austin Butler, Dakota Fanning, Bruce Dern, Mike Moh, Luke Perry, Damian Lewis e Al Pacino.

 

 

Portanto, direto da Sony Pictures e definido pelos críticos como “uma carta de amor de Tarantino aos anos 60 em Los Angeles”, Era Uma Vez em Hollywood está em cartaz nos melhores cinemas.

 

Filme: Era Uma Vez em Hollywood
8.6 TRECOBOX
HISTÓRIA7
ELENCO10
DESENVOLVIMENTO7
PRODUÇÃO10
ORIGINALIDADE9

Comentários via Facebook

Radialista formado se especializando em direção de arte. Sagitariano, sonhador levando a vida buscando paz, amor e um lugar ao Sol. Cinéfilo, aspirante a roteirista. Aquele otaku paulistano que vê animes nas horas vagas, lê mangás no transporte público e faz cosplays pra tirar uma onda. Geek por consequência. Sucesso é uma jornada, não um destino, tenha fé na sua capacidade, esse é meu lema.

Mais lidas