Siga-nos também em

Review

Review TBX | Boca a Boca: Uma crescente alucinante de brasilidade e ficção científica

Review TBX | Boca a Boca: Uma crescente alucinante de brasilidade e ficção científica

Boca a Boca entrega uma série psicodélica de extremo talento e bom gosto

 

Figurou recentemente no catálogo da Netflix a série Boca a Boca. Trata-se de uma produção brasileira original da plataforma, produzida pela Gullane Entretenimento em parceria com Fetiche Features.

Criada por Esmir Filho, o enredo se passa em uma cidade pecuarista no interior de Goiás onde um estranho surto epidêmico transmitido pelo beijo assusta o grupo de risco, formado por adolescentes, e os demais cidadãos da cidade, que enquadram seus pais e parentes.

 

 

E o que a principio começa despretensioso e juvenil entra em uma crescente de ficção científica e reflexão nas mais diversas instâncias. Confira a nossa crítica.

 

 

 

Longe de debutar entre as renomadas séries do catálogo da Netflix, Boca a Boca começa com um bom argumento, que convida o telespectador a se inteirar dos acontecimentos sucedidos. Peca, em seguida, ao entregar um primeiro episódio morno, com atuação desencontrada e estereotipada, principalmente no que tange a adolescência de classe média interiorana. No entanto, caso você se permita continuar a história para além do primeiro episódio, se depara com personagens com cadências extremamente afinadas e atuais, nuances realísticos contrastando com performances visuais e subjetivas, em perfeita harmonia a um plano de fundo com direção de arte alinhada a proposta da série e efeitos especiais satisfatórios.

 

 

O elenco, formado pelos jovens Caio Horowicz (Alex Nero), Iza Moreira (Fran), Michel Joelsas (Francisco “Chico”) lida fluidamente com os veteranos Denise Fraga, Bianca Byington e Bruno Garcia, que integram o núcleo adulto da produção.

 

 

A partir de então, a série mostra para o que veio, trazendo desde o título de cada episódio, referências modernas e atuais do contexto da recente geração, formada pelo boom das redes sociais.

 

 

Episódios intitulados como “unfollow” e “afim de real?”, mostra como a sociedade atual se relaciona resvalando-se as mídias digitais como complemento de suas atitudes. Temas atuais como homossexualidade, manipulação genética, racismo estrutural e veganismo são tecidos de acordo com os dramas de uma juventude que se apresenta problemática e refém de dogmas sociais que em muito se coincidem com a realidade.

 

Os personagens Chico e Maurílio vivem um romance controverso pela diferença de idade e origem social.

 

A trilha sonora que se usa da diegese em especial para conduzir um de seus melhores personagens, o “Chico”, abusa do synth pop de maneira inteligente e convidativa. Bandas como Kindest Cuts, Chromatics e a voz de Mary Komasa confere um ar quase indie juvenil que o título pede.

 

 

Finalmente a parte de diversidade é assertiva, trazendo um elenco miscigenado que se distribui nas mais diversas classes sociais e se estendem as mais diversas faixas etárias, que fazem a série, ainda que em uma ficção científica, não perca sua brasilidade estética.

 

 

Outro ponto de brasilidade, onde o título acerta e confere nacionalidade a série do gênero, é usar de entes folclóricos e do nosso cotidiano para ambientar a ficção. Em Boca a Boca, você encontra referências ao famoso “Boi da Cara-Preta”, ao contexto histórico pós-escravocrata de grandes senhores de terra e praticado até os dias atuais, até codinomes típicos de aplicativos da atualidade, e que fazem parte do público diverso brasileiro.

 

 

Com gancho para uma segunda temporada, Boca a Boca é um delicioso presente em neon que o catálogo da Netflix oferece aos telespectadores brasileiros.

 

 

Vale a pena assistir.

 

Série: Boca a Boca
8.8 TRECOBOX
HISTÓRIA9
ELENCO8
DESENVOLVIMENTO8
PRODUÇÃO10
ORIGINALIDADE9

 

 

Comentários via Facebook

Radialista formado se especializando em direção de arte. Sagitariano, sonhador levando a vida buscando paz, amor e um lugar ao Sol. Cinéfilo, aspirante a roteirista. Aquele otaku paulistano que vê animes nas horas vagas, lê mangás no transporte público e faz cosplays pra tirar uma onda. Geek por consequência. Sucesso é uma jornada, não um destino, tenha fé na sua capacidade, esse é meu lema.

Mais lidas