Poesia visual: TOCANTE filme europeu na Netflix TRANSFORMAR sua vida para sempre!

Se você ama arte e fotografia esse filme pode ser ideal para você! veja mais detalhes sobre este sucesso da Netflix!

Um filme mágico

 

A magia do cinema muitas vezes reside na capacidade de determinadas obras de arte visual transcenderem a tela e tocarem profundamente nossos corações. Em meio ao vasto catálogo da Netflix, encontra-se um filme europeu notável que tem conquistado espectadores e críticos. “Nunca deixe de lembrar” é um trabalho cinematográfico não apenas de uma experiência visual, mas uma jornada tocante capaz de transformar vidas.

 

O filme, que recebeu aplausos fervorosos nos cinemas e agora está disponível na Netflix, é mais do que uma simples narrativa visual, é uma expressão artística que vai além das palavras, uma poesia visual que ressoa em cada canto do espírito do espectador. Inspirado por emoções genuínas e envolto em cinematografia envolvente, ele se destaca como uma pérola na vastidão do streaming.

 

Então se você é fã de arte e de cinema essa pode ser a indicação de filme ideal para você, já que “Nunca deixe de lembrar” é um combinação desses elementos. 

Qual o enredo do filme? 

É importante destacar que a trama do filme mergulha nas complexidades da condição humana, explorando temas como amor, perda e redescoberta pessoal. Cada cena é meticulosamente criada para transmitir emoções profundas, levando o espectador a uma jornada de autodescoberta. A poesia visual utilizada não se limita ao que é dito, mas sim ao que é sentido, criando uma conexão visceral com a audiência.

 

“Nunca esqueça de lembrar” foi dirigido de maneira inovadora por Florian Henckel von Donnersmarck e se revela como uma imersão intrincada na vida do artista Gerhard Richter. Assim, a narrativa desdobra-se como um enigma, onde arte e história pessoal se entrelaçam, dando origem a um diálogo contínuo entre realidade e ficção. O filme, elogiado por sua fotografia e direção, desafia convenções ao criar uma trama que explora a resistência da arte diante das opressões de regimes nazistas quanto comunistas.

 

Desse modo, o desenrolar da história se dá através da infância de Richter, interpretado por Kurt Barnert (Tom Schilling), em uma Alemanha marcada pelo nazismo. A influência marcante de sua tia Elisabeth destaca a importância dos laços familiares e culturais na formação de um artista. Mas, a presença da tia logo é roubada da vida de Kurt, visto que ela sofre de esquizofrenia e acaba em um campo de concentração.   

Nunca deixe de lembrar
Imagem: Reprodução/ Netflix

Leia mais: DE VOLTA! Personagem ICÔNICA irá retornar na 20ª temporada de Grey’s Anatomy!

A magia da cinematografia europeia está presente no filme

A cinematografia europeia muitas vezes é reconhecida por sua abordagem artística e estética visual única e neste filme isso pode ser visto com clareza. Isso porque a produção incorpora paisagens deslumbrantes, composições cuidadosamente elaboradas e uma paleta de cores que evoca sentimentos intensos. Sendo assim, cada quadro é uma obra de arte em si, contribuindo para a narrativa visual que transcende as fronteiras convencionais do cinema.

 

Ao mergulhar nessa obra-prima cinematográfica, o telespectador precisa se preparar para uma experiência que vai além da simples observação, já que o filme é um convite à reflexão e uma grande oportunidade de se perder nas camadas de sua poesia visual e emergir transformado. 

Indicações relevantes 

“Nunca deixe de lembrar” foi indicado a duas categorias no Oscar 2019: Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Fotografia. Além disso, houve grande destaque para a atuação de Cai Chors (Paths), que interpreta Kurt ainda criança. O olhar encantador expressivo da criança chamou a atenção de todos, revelando surpresa e curiosidade ao se deparar com os artistas considerados degenerados, assim como tristeza e luto diante dos horrores do massacre durante a Segunda Guerra. 

 

Além disso, Sebastian Koch (A Vida dos Outros) domina a tela em todas as suas aparições, personificando com maestria a frieza e astúcia exigidas para dar vida ao Professor Carl Seeband.

Imagem: Divulgação/ Netflix