Escondido na Netflix, filmaço mostra Bonnie e Clyde por perspectiva inovadora!

O olhar inédito sobre Bonnie e Clyde na Netflix

A eternização de Bonnie e Clyde na história e no cinema

No ano de 1934, uma emboscada policial culminou na morte de um dos mais famosos casais de foras da lei da história dos Estados Unidos: Bonnie e Clyde. O casal, extremamente ativo durante a Grande Depressão nos anos 30, rodava a América cometendo pequenos delitos como assaltos em postos de gasolina e roubos em bancos. Sua história foi eternizada, não apenas nos registros históricos, mas ela também foi ganhando ares de mito, principalmente nas telas do cinema.

Um dos mais marcantes filmes desta temática é o clássico “Bonnie & Clyde: Uma Rajada de Balas”, lançado em 1967, que alavancou uma revolução cinematográfica nos Estados Unidos, que ficou conhecida como Nova Hollywood. A obra, dirigida por Arthur Penn, catapultou o casal de criminosos da vida real para o status de mitos do cinema. Mas após passados mais de meio século desse marco, o diretor John Lee Hancock trouxe uma nova visão sobre o assunto.

Bonnie e Clyde
Imagem: reprodução/ Netflix

LEIA MAIS:

Listão: doramas INVADEM à Netflix nesta semana; veja TUDO que chegou ao streaming!

Novo filme de mistério da Netflix mostra mãe em busca de justiça pela morte da filha!

E a história dos policiais que perseguiram Bonnie e Clyde?

Hancock ousou e lançou um filme que retrata o outro lado dessa história, focando em Frank Hamer (Kevin Costner) e Manny Gault (Woody Harrelson), dois policiais contratados por um consórcio de bancos para localizar e eliminar Bonnie e Clyde. Em vez de desconstruir o mito de Bonnie e Clyde e mitificar os agentes da lei, Hancock fez uma escolha diferente: reafirmou Bonnie e Clyde como ladrões lendários e desconstruiu o heroísmo de seus protagonistas.

No filme “Estrada Sem Lei”, lançado 52 anos depois da obra de 1967, Bonnie e Clyde são tratados como figuras lendárias desde o início. Temos um universo que parece existir apenas ao redor dos criminosos e uma narrativa que, diferentemente do tradicional, não lhes confere palavras, apenas atos narrados por terceiros. Toda a mitificação ocorre por meio de técnicas cinematográficas bem executadas.

Como o público enxerga Bonnie e Clyde?

Bonnie e Clyde são o símbolo da luta contra o sistema e um exemplo de rebeldia em tempos de crise. Para as forças da lei, o casal representa uma ameaça ao status quo, mas para o povo, eles se tornam personagens queridos e inspiradores, mesmo sendo considerados criminosos. Toda esta dicotomia é retratada de maneira minuciosa e bem construída, tornando “Estrada Sem Lei” uma obra que revela uma diferença significativa entre a opinião pública e o estado.

No fim, descobrimos que os “heróis” têm um passado tão ou mais sanguinolento do que os foras da lei que perseguem. Os protagonistas do “Estrada Sem Lei” passam por profundas transformações ao longo da trama e ao término da missão, conseguem compreender a complexidade do contexto político em que estão inseridos, tendo consciência que seu maior legado é um rastro de violência.

“Estrada Sem Lei” pode não ser o melhor filme do ano e nem chegar aos pés do clássico de Penn, porém ele oferece uma visão extremamente madura e complexa sobre a história dos foras da lei que marcaram a América e o cinema. É uma obra que, certamente, proporciona aos espectadores a oportunidade de refletir sobre a história de Bonnie e Clyde sob uma nova perspectiva.