Siga-nos também em

Anime

Ergo Proxy chegou à Netflix. Saiba mais sobre esse intrigante anime

Ergo Proxy chegou à Netflix. Saiba mais sobre o anime

 

O anime Ergo Proxy foi um dos maiores sucessos do estúdio Manglobe

 

A Netflix disponibilizou em seu catálogo mais alguns animes clássicos. Uma das adições foi o pós-apocalíptico Ergo Proxy, um dos animes mais intrigantes do extinto Manglobe.

Ambientada em um mundo após ter sofrido um colapso ambiental, a história de Ergo Proxy nos coloca em meio a inúmeros questionamentos. Os personagens principais Vincent Law, a inspetora Re-l e a AutoReiv Pino nos conduzem a uma jornada em busca de respostas.

Toda a temática do anime nos coloca em uma atmosfera gótica em meio a cenários cyberpunks. No entanto, as relações humanas e também o avanço da tecnologia acabam surgindo para dramatizar a narrativa.

Além disso, o anime conta com uma trilha sonora imersiva, que nos provocam sensações diversas. O mais provável é que sinta um mix de tristeza e compaixão na maioria das cenas apresentadas. A música de abertura, Kiri, interpretada pela banda Monoral, nos leva à redenção. Aliás, a sequência de abertura com a música é um espetáculo à parte.

 

 

O anime original foi produzido pelo estúdio Manglobe (Samurai Champloo e Gangsta), sendo lançado no Japão em fevereiro de 2006. Uma das premissas de Ergo Proxy era de fato mexer com o psicológico do telespectador. Sua complexidade e a qualidade absurda no quesito animação o colocou como um verdadeiro sucesso na época.

 

Ligações externas curiosas

Para a concepção do anime, o Manglobe usou algumas referência curiosas. Começando pela protagonista Re-l Mayer, que teve o seu character design inspirado na cantora Amy Lee, vocalista da banda Evanescence. A banda americana de Gothic Rock estava no seu auge na época. Sendo assim, o visual usado por Amy Lee na capa do album Fallen foi totalmente reproduzido na criação de Re-l.

 

Ergo Proxy chegou à Netflix. Saiba mais sobre o anime

 

Outra referência interessante é o nome do vírus que faz com que os AutoReivs comecem a ter sentimentos, o Cogito. Tal nome vem do latim e significa “Penso”. Sendo assim, a palavra foi extraída do ditado Cogito, ergo sum, que significa “Penso, logo existo”. Além disso, a palavra “Ergo” também foi retirada do mesmo ditado para dar nome à série.

Uma outra referência bem marcante é a música de encerramento do anime, Paranoid Android, da banda Radiohead. Ela faz referência ao androide Marvin, do livro O Guia do Mochileiro das Galáxias, que sofre de depressão, um mal psicológico humano. Portanto, a música do Radiohead teve uma conexão mais do que imediata com os AutoReivs infectados, que passam a pensar e ter sentimentos humanos.

Infelizmente a versão lançada pela Netflix não inclui o encerramento com a música Paranoid Android. A remoção deve ser relacionada a algum tipo de restrição de licenciamento. No entanto, você pode ver a versão original no vídeo abaixo:

 

 

A história de Ergo Proxy

Casos estranhos envolvendo AutoReivs infectados pelo vírus Cogito começam a se tornar frequentes na cidade de Romdo. Ela é uma das grandes metrópoles envolvidas por um sistema de isolamento do mundo externo, o qual foi totalmente destruído pela poluição. Os AutoReivs infectados começam a ser acusados de assassinatos, passando a ser caçados por agentes do governo.

Por outro lado, o próprio governo esconde a existência dos Proxy, criaturas humanoides poderosas que surgiram no planeta após o grande apocalipse. A inspetora Re-l Mayer, neta do Regente de Romdo, se envolve na investigação sobre os estranhos assassinatos. Entretanto, ela acaba por ter um encontro inesperado com um Proxy. A partir de então começam a vir à tona os segredos que o governo esconde de todos durante anos.

 

Por fim, o anime Ergo Proxy conta com um total de 23 episódios, tendo cerca de 26 minutos cada. A série está disponível no catálogo da Netflix em alta definição.

 

Se você ainda não assistiu, então não perca tempo! Nós da Trecobox recomendamos!

 

Comentários via Facebook

Publicitário, cosplayer, gamer, otaku, viciado em séries e colecionador de action figures. Um mix de tudo o que um verdadeiro geek pode ser. Vivendo a vida intensamente a cada segundo, mantendo-se sempre antenado nas novidades desse incrível e expansivo universo. Um pernambucano de nascimento e paulista de coração.

Mais lidas