Conectar-se com

Filmes

Review TBX | Coringa: Quando um vilão domina um território tomado por heróis

Publicado

Em

Coringa: Quando um vilão domina um território tomado por heróis

 

O filme Coringa, estrelado por Joaquin Phoenix, chega para tomar o lugar de muitos filmes de super-heróis, mesmo sendo cult

 

O cinema vem sendo dominado por uma grande leva de histórias de heróis. Quando falo em heróis não quero dizer apenas aos de quadrinhos, mas também de personagens que assumem os papéis de mocinhos. Por outro lado, sabemos que houve um boom dos filmes de super-heróis nos últimos 10 anos, o que causou uma verdadeira revolução na indústria cinematográfica, antes focada em filmes de ficção científica.

No entanto, com a estreia do filme Coringa (Joker), algo chegou para desestruturar um cenário já estabilizado. Um filme baseado em um dos maiores vilões dos quadrinhos, um ícone de anos, trouxe uma proposta que coloca tal personagem como o centro das atenções da crítica e do público em geral.

Sendo assim, neste review traremos alguns pontos importantes que provam o quanto o filme Coringa, de Todd Phillips, já pode ser considerado cult e um dos favoritos para conquistar o Oscar 2020.

 

A construção de um personagem e a representação de uma mente perturbada

Durante a produção de Coringa, o diretor Todd Phillips buscou alguém que pudesse representar um dos papéis mais difíceis de se fazer em um longa metragem. Adaptar um personagem que só existia nas páginas de HQs de super-heróis, principalmente por ser dotado de uma personalidade um tanto complexa, requeria alguém que pudesse expressar tudo com maestria. Foi então que Phillips chegou até Joaquin Phoenix, um ator que já traz em sua bagagem atuações dramáticas e impecáveis, que já renderam prêmios e indicações importantes.

Mas como colocar um homem com problemas psicológicos, um assassino frio, um fora da lei, em um papel de destaque em um filme? Talvez esse foi o maior dos desafios em que a dupla Phillips e Phoenix tiveram. Contudo, transformar um ícone dos quadrinhos em um ser de carne e osso foi algo que o ator agarrou com todas as suas forças. Assim nasceu Arthur Fleck, um homem com uma estranha doença mental, vivendo na pobreza, sendo humilhado constantemente e que logo se tornaria um símbolo da explosão de violência de Gotham City.

 

Coringa: Quando um vilão domina um território tomado por heróis

 

Sacrifícios para viver Arthur Fleck

O ator Joaquin Phoenix precisou de muito preparo para encarnar um homem com uma doença mental. Além de ser um fracassado na vida, Arthur Fleck sofre de um distúrbio chamado de “a doença do riso”, algo que foge do seu controle se não tomar remédios fortes. Dessa forma, Phoenix precisou passar por grandes sacrifícios para que pudesse passar com fidelidade um Arthur Fleck nas telonas. O ator emagreceu bruscamente, passou fome e ficou com um aspecto abatido e doentio. O resultado chega a impressionar, pois o corpo de Phoenix realmente parecia estar doente. Tais esforços do ator são dignos de reconhecimento, pois não é fácil passar por tudo isso apenas para viver um personagem em um filme. Muitos atores contam com efeitos especiais e maquiagens para representar um papel como esse. No entanto, o que Phoenix fez foi incorporar Arthur Fleck, se tornando nesse homem doente, o trazendo à vida.

 

Coringa: Quando um vilão domina um território tomado por heróis

Durante as cenas em que Arthur Fleck ri descontroladamente são retratados momentos perturbadores. O riso na verdade está substituindo um choro ou grito de sofrimento. O ator Joaquin Phoenix conseguiu passar todas essas sensações de uma forma que desperta uma profunda agonia no espectador.

 

A transição de um homem fracassado para um psicopata nato

Em Coringa não somos apresentados ao icônico vilão de fato. Se você buscava isso, pode esquecer. No entanto, no longa temos inúmeros elementos dos quadrinhos, principalmente por se passar na cidade de Gotham. Chegamos a ver elementos cruciais para interligarmos a adaptação às histórias originais, mas sem ter uma fidelidade propriamente dita. O filme Coringa é uma história inédita de um homem que foi o responsável pelo colapso que Gotham City passou antes mesmo do Batman surgir. Por outro lado, podemos ver a família Wayne ali presente, mas não como o centro das atenções. O papel de Thomas Wayne na trama acaba sendo muito mais importante do que a aparição do pequeno Bruce.

Aliás, a relação entre Arthur Fleck e Thomas Wayne é algo que intriga e serve como o principal ponto de transição do personagem. Não darei spoilers, mas já adianto que a chave para o nascimento do Coringa no filme está em uma simples conversa entre Fleck e Wayne.

 

Uma das cenas que representa o quanto a mente de Fleck é perturbada é a inusitada dança após cometer os primeiros homicídios. Tomado por profunda euforia, ele se sente como se estivesse em um palco realizando o seu show de comédia.

 

Sinais da evolução do personagem

Vale destacar que a transição do frágil e oprimido Arthur Fleck no psicótico e frio Coringa é apresentada lentamente. Além disso, tal transição pode ser vista na maquiagem de palhaço que ele usa. Os traços, antes firmes e bem desenhados, passam a ser borrados e disformes. Os elementos como paletas de cores e enquadramento das cenas são importantíssimos para representar essa evolução. Durante as cenas em que Fleck é retratado em sofrimento e dor, a iluminação é azulada e muito escura. Também podemos ver muitas sobreposições de grades e telas, que representam uma espécie de prisão. A loucura e a revolta interna, antes presa em sua mente, começa a ser externada. Primeiramente vemos ele se contorcer em movimentos estranhos e perturbadores. Tal expressão corporal só demonstra o seu desejo de se libertar e assim liberar todo o sofrimento interno.

 

Coringa: Quando um vilão domina um território tomado por heróis

Arthur Fleck vê como missão de vida levar a alegria para as pessoas. No entanto, ele nunca se sentiu feliz. Trabalhar como um palhaço e sonhar em ser um comediante de shows de Stand-up Comedy não passam de uma enorme máscara, que esconde o seu lado sombrio e doentio.

 

E nasce um vilão

Logo que Arthur Fleck começa a se libertar, as cores nas cenas começam a mudar. Tons de amarelo surgem para expressar a euforia e o alívio em que Fleck começa a sentir. Um outro ponto é o enquadramento das cenas em contra-plongeé, que denotam uma superioridade adquirida naquele momento. Finalmente o vilão toma o seu devido lugar na trama, dando espaço para a sua psicopatia e o desejo de fazer um show de horrores como se fosse um show de comédia.

 

A transformação em Coringa acontece em um momento extremo na trama. Toda a verdade sobre a sua vida veio à tona e sua mente criava situações boas que não passavam de meras ilusões. Arthur Fleck sai de cena e abre espaço para o seu verdadeiro eu se apresentar, se autoproclamando como Coringa.

 

Uma história com início, meio e fim

Desde o início do projeto Todd Phillips já pensava em fazer um filme redondo, em que tudo seria entregue e esclarecido. Por mais que os fãs possam pedir para que o vilão criado por Phillips siga em futuros filmes do universo DC, tal situação não faria o menor sentido. O filme Coringa tem início, meio e fim, mas entrega uma cena chave em seus momentos finais que abre as portas para a origem do super-herói Batman. No entanto, o vilão apresentado é apenas uma ponte para um futuro ainda incerto. Todas as possibilidades de uma continuação já foram descartadas pelo diretor, ou seja, Coringa foi entregue completo.

 

 

Por fim, podemos chegar a uma conclusão: o filme é excelente. Por mais que muitos estivessem céticos, o resultado entregue supera qualquer expectativa. Coringa coloca um vilão em um lugar de destaque, o humanizando como jamais havia sido feito. Se envolver com a vida de Arthur Fleck é inevitável, o que causa uma sensação perturbadora de acolhimento em quem está assistindo. Por outro lado, a razão vem à tona e nos mostra o quão errado ele é. Seus atos criminosos podem justificar o vilão que se tornara, mas não o coloca como um herói na história. No filme vemos um povo oprimido que adota a postura de um psicopata como algo libertador. Entretanto, a explosão dos ânimos só coloca todo o instinto de criminalidade que culmina em uma Gotham City que se tornaria carente de um herói como o Batman em um futuro próximo.

 

O filme Coringa (Joker) estreou no dia 3 de outubro, estando em cartaz nos principais cinemas de todo o país. Nós da Trecobox recomendamos muito assisti-lo, mas lembramos que esse não é um filme de super-heróis. Prepare-se para muito drama e cenas fortes nessa obra-prima cinematográfica.

 

Filme: Coringa
10 TRECOBOX
HISTÓRIA10
ELENCO10
DESENVOLVIMENTO10
PRODUÇÃO10
ORIGINALIDADE10

Comentários via Facebook

Publicitário, cosplayer, gamer, otaku, viciado em séries e colecionador de action figures. Um mix de tudo o que um verdadeiro geek pode ser. Vivendo a vida intensamente a cada segundo, mantendo-se sempre antenado nas novidades desse incrível e expansivo universo. Um pernambucano de nascimento e paulista de coração.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Mais lidas

Copyright © Trecobox 2019 desenvolvido por: VISUALS