Conectar-se com

Anime

Review TBX | Hotarubi no Mori e – Trazendo a simplicidade do amor genuíno

Publicado

Em

Review TBX | Hotarubi no Mori e - Trazendo a simplicidade do amor genuíno

Um enredo que trabalha de forma simples, assim como a simplicidade do amor

 

O título Hotarubi no Mori e (To the Forest of the Firefly Lights) busca demonstrar como o amor pode ser algo extremamente genuíno e simples. Uma vez que fosse dirigido por Takahiro Omori, a qualidade da direção já era uma expectativa. Sobretudo, após trabalhos em animes como Durarara!!, Bacano! e Jigoku Shoujo. Além do mais, o roteiro é escrito por ele em conjunto com a autora do mangá, Yuki Midorikawa. Por outro lado, o mangá de Hotarubi no Mori e é de volume único, contendo capítulos com enredos diferentes. Então, cada capítulo se passa em uma estação diferente do ano.

O estúdio responsável pela adaptação do mangá de Hotarubi no Mori e é o Brain’s Base. Logo, a obra passou a ser uma recomendação certeira para quem também é fã dos trabalhos de Makoto Shinkai, bastante conhecido por Your Name, e Hayao Miyazaki do estúdio Ghibli.

 

Review TBX | Hotarubi no Mori e - Trazendo a simplicidade do amor genuíno

 

Primeiramente, conhecemos a Hotaru. Uma garota de 6 anos que costuma passar o verão na casa do seu tio do interior japonês. Nesse verão, ela acaba se perdendo em uma floresta. Tal local é conhecido como a floresta do Deus da Montanha, onde residem os espíritos. Sendo assim, para sua sorte, ela foi encontrada por Gin, um rapaz que usa uma máscara de raposa. Ele se apresenta como não sendo um humano, vivendo na montanha com os outros espíritos. Dessa forma, a premissa é entregue nesse momento inicial, onde Gin alerta que nenhum humano pode tocar em sua pele, caso contrário ele deixará de existir.

 

Aguardando sempre pelo verão

Então, sabendo que nunca poderia ter contato físico com Gin, a Hotaru permanece a visitá-lo durante o verão, período em que fica na casa do seu tio. Mesmo que ela soubesse dessa condição e não quisesse perde-lo, com o passar dos anos, e o amadurecimento de Hotaru, um sentimento mais afetuoso surge. Ela nota que ao passo que Gin não tenha mudado basicamente em nada na sua aparência, por não ser humano, sua idade se aproximara da idade que ele aparenta ter. Certamente, a frustração a encontra por notar sua paixão pelo rapaz.

 

Review TBX | Hotarubi no Mori e - Trazendo a simplicidade do amor genuíno

Cena a qual Hotaru demonstra angústia perante a condição de não poder sequer tocar em Gin.

 

Sobretudo, além do amor, a conexão entre as pessoas é uma retratação de um tema ainda extremamente contemporâneo e debatido na sociedade japonesa. Enfim, para o filme, os personagens se encontram dentro de uma condição que gerará uma perda definitiva. Então, sacrificam seu anseio de ter um abraço, ou algo do tipo, para que continuem aproveitando seus momentos juntos. Portanto, são esses momentos onde os personagens ganham mais carisma ao vermos o desenvolvimento da relação entre ambos.

 

O amor genuíno

Por fim, o atrativo em Hotarubi no Mori e é saber como será o desfecho de duas pessoas que cada vez mais se aproximam afetuosamente e não podem ou devem se tocar. Sobretudo, como a premissa é contada desde o início, não acontece um elemento surpresa. Sendo assim, a obra busca mais o apelo à curiosidade do espectador. Tal curiosidade nos leva ao momento em que Gin salva um garoto de um leve tropeço, o puxando pelo braço. Eis que Hotaru se dá conta e nota que ele está se transformando em vaga-lumes e começa a sumir. Então, ambos aceitam o destino e se abraçam, uma vez que tudo acabaria, assim como um primeiro grande amor.

 

Review TBX | Hotarubi no Mori e - Trazendo a simplicidade do amor genuíno

Último momento dos protagonistas juntos.

 

Apesar do longa metragem ter 45 minutos, por ser uma adaptação de um único capítulo do mangá de Hotarubi no Mori e, ele não se estende ao desnecessário e se mantém com sua simplicidade com cenários bonitos e uma história objetiva. Contudo, isso pode ter comprometido um pouco o final, pois a carga dramática foi bem baixa, tentando manter a leveza da atmosfera em sincronia com seus atos anteriores. No entanto, não quer dizer que Hotarubi no Mori e seja ruim, só faltou um pouco mais de emoção. Confira o trailer abaixo:

 

 

De fato, alguns elementos pouco explorados em Hotarubi no Mori e extrapolam a simplicidade proposta. Principalmente a floresta. Embora ela seja o principal ambiente, não é uma personagem muito viva na narrativa, pois conta pouco sobre as criaturas que nela vivem ou sobre sua própria história. Além disso, a trilha sonora é agradável e bem encaixada nos momentos chaves do filme.

 

Em suma, Hotarubi no Mori e (To the Forest of the Firefly Lights) é um bom filme com um conceito já visto no cinema, porém vale conferir.

 

[rwp-review id=”0″]

 

Comentários via Facebook

Residente de Araçatuba, interior de São Paulo. Um amante de jogos, principalmente se tratando da série Street Fighter. Acompanha séries, cinema e animes cheios de carisma e uma boa narrativa. Leva a vida como Rocky Balboa o ensinou: "Um passo de cada vez, um soco de cada vez, um round de cada vez".

Propaganda

Canal Trecobox |

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Facebook |

Propaganda

Mais lidas

Copyright © Trecobox 2019 desenvolvido por: VISUALS