Conectar-se com

Artigo

Entrevista com Bruno de Araujo, desenvolvedor do game NIGHTSTAR: Rogue Wings

Em entrevista exclusiva, Bruno de Araujo compartilha informações sobre a sua carreira como desenvolvedor e revela detalhes do seu mais novo projeto.
Fundador da Solidmesh conta detalhes sobre sua carreira e o seu mais novo projeto.

 

A Solidmesh é um estúdio indie de desenvolvimento de games fundado pelos brasileiros Bruno de Araujo e sua esposa Talita Rodacki. O estúdio é sediado em Vancouver, na costa oeste do Canadá, e tem como missão criar experiências divertidas e imersivas para os gamers de todas as idades e em todo o mundo.

Mesmo sendo um estúdio pequeno, a Solidmesh reúne um número de projetos que dão um show de qualidade e profissionalismo. Entre as suas realizações temos o game de realidade virtual, NIGHTSTAR: Starfighter, um shooter estelar desenvolvido a partir do dispositivo HTC Vive.

 

 

Outro que vem chamando a atenção é o game de ficção científica Nebula: Sole Survivor, o qual já recebeu o Greenlight pela comunidade Steam.

 

 

Em uma entrevista exclusiva para o site Trecobox, Bruno de Araujo compartilha informações sobre a sua carreira como desenvolvedor e revela inúmeros detalhes do seu mais novo projeto, NIGHTSTAR: Rogue Wings. Confira!

 

Por que decidiu entrar no ramo de desenvolvimento de jogos digitais? Já tinha pensado em algum dia se tornar um desenvolvedor de jogos?

 

Eu sempre gostei de jogar videogame, desde pequeno. Sempre tive uma imaginação bem ativa e adoro jogar jogos onde eu possa viver as aventuras de cada personagem em mundos diferentes, passando por experiências diferentes a cada momento. Eu não lembro de ter tido um momento em que eu tenha pensado “Puxa, já sei, vou ser um desenvolvedor de jogos”. Acho que tudo aconteceu naturalmente, quando eu comecei aos poucos a me interessar mais pelos bastidores, além de pelos jogos em si. Eu sou muito curioso, e queria aprender como as coisas eram feitas nos jogos, como aquela experiência tinha chegado ali para que eu pudesse jogar. Comecei a aprender um pouco de programação, tendo meu background em design comecei a modelar personagens e naves, cenários, etc., e comecei a fazer jogos mesmo quando me deparei com a Unreal Engine, que permite um estilo de programação chamado de Blueprints, onde você trabalha com módulos visuais em vez de digitar linhas de código. A partir daí desenvolver jogos foi inevitável.

 

Qual é/foi a maior dificuldade que você encontra/encontrou nesta área?

 

Eu sempre falo que sendo um desenvolvedor indie você pode escolher 2 das seguintes coisas: um visual exemplar, uma ótima jogabilidade, ou o melhor plano de marketing! Marketing é sem dúvida a maior dificuldade para jogos que não têm uma grande empresa por trás.

 

Você sobrevive apenas do desenvolvimento de jogos? Caso não, em que você trabalha atualmente?

 

Comecei a lançar meus jogos para venda no Steam no segundo semestre de 2016, então ainda é cedo para que o retorno me permita viver apenas do desenvolvimento de jogos, mas esse é o objetivo daqui para a frente! Atualmente além de fazer jogos eu sou desenvolvedor e trabalho com projetos de realidade virtual numa agência de tecnologia aqui em Vancouver, no Canadá.

 

Que tal falarmos um pouco de seu atual projeto, NIGHTSTAR: Rogue Wings?

 

 

Quando foi que se deu início a produção do game?

 

Boa pergunta! Antes de começar a desenvolver o NIGHTSTAR: Rogue Wings eu lancei o NIGHTSTAR: Starfighter, um jogo de nave que se passa no mesmo universo, um jogo de VR para o HTC Vive. Acho que a partir dali eu já comecei a pensar em fazer algo parecido para PC, já que eu estava tendo algumas ideias que não podiam ser feitas ali para o Vive mas que poderiam ser desenvolvidas em um jogo para PC, por exemplo o especial em que o piloto ejeta da nave segurando um rocket launcher para atirar nas naves inimigas. É uma coisa que eu nunca vi antes em nenhum jogo desse tipo, então aquela pulga atrás da orelha começou a fazer com que eu fosse desenvolver o jogo para PC. Então no final de 2016 eu comecei com os primeiros planos para o Rogue Wings.

 

Quais foram as suas maiores inspirações para a produção do NIGHTSTAR: Rogue Wings?

 

Dois jogos, o Star Fox 64 e o Star Wars: Rogue Squadron, foram minhas maiores inspirações para o NIGHTSTAR: Rogue Wings. Do Star Fox eu trouxe o dinamismo das missões, o fato de as missões serem bem diferentes umas das outras, além dos tipos dos chefes que você encontra, com pontos fracos diferentes também. É um jogo com uma boa velocidade e com manobras especiais como o famoso barrel roll, além de oferecer upgrades de armas e apresentar wingmen, aliados que voam junto com o jogador. Eu procurei trazer um pouco de tudo isso para o meu jogo. Do Rogue Squadron eu busquei inspiração nos mapas abertos, na variedade de inimigos, e também na visão em primeira pessoa do cockpit, acho que isso influenciou bastante o estilo de jogo que eu estava buscando desenvolver.

 

Você trabalha em equipe ou sozinho? Caso trabalhe em equipe, poderia nos contar quem são os integrantes?

 

A Solidmesh é um pequeno estúdio. Eu trabalho no desenvolvimento dos jogos, e minha esposa Talita Rodacki trabalha com a parte de marketing, RP, e gerencia o nosso site (em construção) e páginas sociais. Ela também faz as vezes de project manager, pra que eu não vire um feature creep! Juntos fundamos a Solidmesh. Com o passar do tempo nosso objetivo é fazer a Solidmesh crescer para que possamos dedicar 100% do nosso tempo aos jogos.

 

Você tem algum outro jogo já desenvolvido além do NIGHTSTAR? Tem alguma previsão de fazer algum outro futuramente?

 

Temos um outro jogo já lançado e um em desenvolvimento além do Rogue Wings. O NIGHTSTAR: Starfighter foi lançado em março de 2017 depois de passar um tempo em Early Access no Steam, e é um jogo de nave para realidade virtual, especificamente para o HTC Vive, que se passa no mesmo universo do NIGHTSTAR: Rogue Wings. O jogo que está em desenvolvimento é o NEBULA: Sole Survivor, já aprovado pelo Steam Greenlight, um jogo de suspense inspirado pela franquia do Alien e em jogos clássicos como Metroid e The Legend of Zelda. O Nebula foi o primeiro jogo que comecei a desenvolver com a intenção de lançar, e é um projeto mais complexo, com features mais detalhadas.

 

Gostaria de deixar alguma mensagem para aqueles que pretendem se arriscar ou já se arriscam no mundo do desenvolvimento de jogos?

 

Acho que o primeiro ponto é ter certeza de que você quer trabalhar com desenvolvimento de jogos, porque fazer jogos e jogar jogos são coisas completamente diferentes. Fazer um jogo envolve trabalho duro, mas a adrenalina de ter um jogo lançado é inacreditável! Para quem pensa em fazer jogos sozinho (sem ser trabalhando para uma empresa já estabelecida) acho que é válido lembrar que, assim como todo trabalho freelance, leva tempo até conseguir um retorno, e leva tempo até o seu nome passar a ficar conhecido na indústria e as pessoas começarem a se interessar pelo seu trabalho. Tudo isso faz parte da aventura! Acho que a mensagem que eu gostaria de deixar é: vá em frente! Se ser desenvolver jogos é realmente o que você quer, não pare e não desista. Coloque as suas ideias em prática, mostre para os seus amigos, receba o feedback com a mente aberta. Isso é extremamente importante, saber trabalhar com o feedback dos jogadores. Uma vez recebi um feedback bem negativo, não pensei duas vezes: entrei em contato na hora, agradeci a pessoa, procurei resolver o problema que ela estava tendo, vi que o feedback era útil para fazer o jogo ficar ainda melhor, e não deu outra: quando lancei o update a pessoa mudou a review para positiva e agora está recomendando o jogo no Steam. Isso se repetiu algumas vezes, e eu ganhei uma reputação boa entre os jogadores.

 

 

NIGHTSTAR: Rogue Wings é um game focado em batalhas aéreas e missões rápidas. Tomando o controle através da visão em terceira pessoa ou visão de cockpit imersiva, use todas as suas habilidade para lutar contra uma maligna Inteligência Artificial que governa a galáxia. O game leva você a uma viagem estelar com ambientes incríveis, naves de guerra e diversos inimigos. Você assume o papel do Comandante Eastwood através da campanha singleplayer, onde suas habilidades como piloto serão postas à prova. Para esta versão Early Access, estão disponíveis 3 níveis completos. O game apresenta uma direção de arte excelente, digna de jogos AAA, com design de som de última geração.

 

Saiba um pouco mais sobre o estúdio Solidmesh visitando o seu site oficial.

Link da Steam para o game NIGHTSTAR: Rogue Wings

Link da Steam para o game NIGHTSTAR: Starfighter

Link da Steam para o game NEBULA: Sole Survivor

 

 

Mais lidas